Quarta-feira, 12 de Novembro de 2008

Balada de Lisboa

Em cada esquina te vais
Em cada esquina te vejo
Esta é a cidade que tem
Teu nome escrito no cais
A cidade onde desenho
Teu rosto com sol e Tejo

Caravelas te levaram
Caravelas te perderam
Esta é a cidade onde chegas
Nas manhãs de tua ausência
Tão perto de mim tão longe
Tão fora de seres presente

Esta e a cidade onde estás
Como quem não volta mais
Tão dentro de mim tão que
Nunca ninguém por ninguém
Em cada dia regressas
Em cada dia te vais

Em cada rua me foges
Em cada rua te vejo
Tão doente da viagem
Teu rosto de sol e Tejo
Esta é a cidade onde moras
Como quem está de passagem

Às vezes pergunto se
Às vezes pergunto quem
Esta é a cidade onde estás
Com quem nunca mais vem
Tão longe de mim tão perto
Ninguém assim por ninguém


by Manuel Alegre, in Babilónia

 

Foi... Com olhos de ver às 17:22
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


Quem sou eu...

Bisbilhotar por aqui...

 

Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Ultimamente...

Narizes empinados

Ajudar a Marta

Café e água das pedras

Sentou-se e esperou

Cor-de-Rosa

Apetecia-me

...

O síndroma do banco tripl...

Publicidade - Versão 2.2

Publicidade - Versão 2.1

Senhor da mercearia

Crescer

Publicidade - Versão 2.0

Mais um dia

Desafio... Venha ele...

Águas Passadas...

tags

todas as tags

links

blogs SAPO

subscrever feeds